Não há mais discussão. As práticas sociais foram impactadas pelas novas tecnologias – desde o acesso à informação até a produção e compartilhamento de conhecimento, a forma como nos relacionamos, interagimos e aprendemos mudou.

E se o funcionamento social se modificou, as práticas educacionais também deveriam se alterar, considerando a fluidez dos acontecimentos em que boa parte das máquinas, programas e aplicativos usados, atualmente, se tornarão obsoletos e serão facilmente descartados como o Orkut ou um “tijolão” da Motorola que há 30 anos custava cerca de 4.000,00 dólares.

tecnologia antiga

Portanto, já é tempo de se rever as metodologias educativas e abrir as portas para as tecnologias entrarem de forma ampla e responsável nas escolas em contexto nacional, procurando associá-las às perspectivas futuras de uma sociedade que evolui e se transforma rapidamente, como explica o filósofo Zygmund Bauman em seu livro Modernidade Líquida. Você pode saber mais sobre a fluidez da sociedade no vídeo logo a seguir:

Pense que há pouco tempo a inteligência artificial (IA) era sinônimo de ficção científica, agora tornou-se uma realidade em nosso cotidiano. Aliás, qual foi a última vez que você acessou o App do Uber, o Netflix ou pediu algo pelo Ifood? Pois saiba que, através do que você acessa, a IA analisa seu modo de viver. Para onde você vai, com que e quem interage, o que come, assiste etc.

Desse modo, a IA coleta silenciosamente informações acerca de suas preferências e, a partir delas, oferece, antes de você pedir, o que você pode consumir ou ler como sendo parte irresistível da sua lista de desejos.

Em tempos que os computadores estão sendo ensinados a pensar, as escolas não podem dar as costas para as tecnologias. As tecnologias passaram a ser extensão do ser e, mais rápido do que pensamos, estão determinando o que iremos pensar.  Se você está preocupado(a), leia um pouco mais sobre IA.

Veja, em todo o mundo, é crescente a quantidade de pessoas conectadas. E no Brasil, o número de habitantes que usa a internet continua crescendo: de 67% da população passou para 70%, o que equivale a 126,9 milhões de pessoas conectadas, segundo dados da pesquisa TIC Domicílios, divulgada em agosto de 2019.

Nesse cenário, a escola se apresenta como um espaço de estímulo e educação para o uso crítico dos recursos tecnológicos. Se bem utilizados, tornam-se instrumentos importantíssimos no processo de formação de sujeitos mais capazes de lidar com as inovações de uma sociedade que se atualiza a todo instante e com quem está por trás delas.

evolução

Tecnologia na educação para nativos digitais

As crianças e adolescentes da atualidade não passam mais pelo processo de integração às novas tecnologias, eles já nascem imersos no mundo digital, são os chamados “nativos digitais”. Aqueles que, em paralelo aos primeiros passos, já mantêm o contato com aparatos tecnológicos como smartphones, tablets etc., desde bebês.

E mais, eles não conheceram o mundo sem a presença de equipamentos como computadores, celulares e outros dispositivos conectados à internet.

Seguem youtubers, ou são seguidos em seus próprios canais, possuem grupos no WhatsApp (ou seu concorrente russo, Telegram), fazem buscas no Google, maratonam séries no Netflix, constroem cidades no Minecraft, produzem vídeos no TikTok, criam playlists no Spotify. 

É possível estar em vários espaços sem sair do lugar, basta saber onde clicar. Mas, o que fazer com todo este acesso às inovações?

Bem, estes jovens podem conhecer bem as técnicas dos equipamentos e acesso virtual, no entanto, muitas vezes desconhecem o potencial destas ferramentas e em outros momentos não fazem o melhor uso delas.

As crianças utilizam os recursos digitais de forma intuitiva, pois fazem esse exercício cotidianamente. Porém, no ambiente escolar, surgem outras condições de aprendizagem no uso mais intencional dos aparatos tecnológicos, possibilitando ampliar saberes e potencializar a criatividade no convívio com os colegas a partir da construção e desconstrução de percepções sobre o que é observado e vivido.

Educadores preparados para uma educação tecnológica

A preparação da docência para o uso das tecnologias em sala de aula é uma tendência. Segundo a pesquisa Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) Educação 2018, 76% dos docentes buscaram formas para desenvolver ou aprimorar seus conhecimentos sobre o uso destes recursos nos processos de ensino e de aprendizagem. 

Entre os temas de interesse dos professores na busca por cursos e palestras, os mais citados são o uso de tecnologias em sua própria disciplina de atuação (65%), o uso de tecnologias em novas práticas de ensino (65%) e formas de orientar os alunos sobre o uso seguro do computador, da internet e do celular (57%). 

A capacitação do professor a fim de lidar com a cultura digital é imprescindível para o desenvolvimento da criança. Isso significa criar diversas situações de aprendizagem voltadas para essa finalidade. O uso de um ambiente virtual com orientação possibilita aos alunos serem usuários críticos, conscientes e competentes deste universo.

Neste processo de formação educacional tecnológica, o professor pode:

  • Valorizar as perguntas das crianças como sendo parte do conhecimento;
  • Escutar as ideias dos alunos em suas buscas criativas;
  • Apresentar as tecnologias aos alunos de modo acessível;
  • Instigar a curiosidade;
  • Levar os alunos a analisarem as novas ferramentas em integração com o meio escolar;
  • Ressignificar as tecnologias como sendo recursos de melhoria da vida do coletivo;
  • Dissociar tecnologia de consumo e uso exclusivo individual;
  • Aliar os recursos digitais e científicos às práticas de ensino e ao projeto pedagógico;
  • Instruir os estudantes para saberem discernir a veracidade das informações;
  • Conduzir ao aprofundamento de entendimento da internet, que vai além das redes sociais;
  • Compreender como atua a IA e como ela influencia o usuário das redes sociais;
  • Usar a tecnologia criativa em busca de soluções para os problemas;
  • Investir no uso de ferramentas colaborativas à distância, como fóruns.

Tendências da tecnologia na educação

Já compreendemos o contexto em que as crianças da atualidade vivem, o impacto social e educacional ocorrido pelas inovações e como a escola pode se comportar neste contexto. Mas, agora, que tal sabermos como a tecnologia pode estar aliada ao processo educacional na prática?

Movimento Maker

A cultura maker veio para mostrar que, com a chegada do celular, os laboratórios de informática não trazem mais o desafio esperado para a garotada. A proposta tecnológica para as escolas se modificou e o novo conceito veio abrir as portas para a criatividade e mostrar que tecnologia no uso convencional do computador, agora é possível criar e programar.

Assim, a cultura maker vem dar a possibilidade de qualquer um construir e produzir objetos por conta própria, quando o objetivo maior é desafiar o aluno a pensar para buscar soluções dentro do cotidiano com o objeto que ele vai criar, sozinho ou em grupo, o que torna o ensino bem mais prazeroso.

Podemos trazer os exemplos já vivenciados na Casa Escola, em Natal, como criar uma solução para controlar uma batida de porta com objetos de sucata; tirar fotos dentro de um objeto lançado ao ar; pensar como usar o ar para mover objetos; ou programar qualquer objeto feito de sucata para entrar em ação com o auxílio de uma bexiga de ar, uma liga elástica ou até de uma placa Arduíno. O princípio é criar o que se precisa com pouco.

Tudo isso pode ser feito com os pequenos a partir dos 4 anos de idade. Mesmo que a pegada com eles seja diferente, os questionamentos realizados estão no plano do mundo científico e não deixam nada a desejar para a academia.

Ainda, com a chegada dessas tecnologias ao ensino nas escolas, foram introduzidos novos recursos como a placa Arduíno, a impressoras 3D, as cortadoras a laser e os kits de robótica, o que tem incentivado e popularizado o movimento criativo e tecnológico ao mesmo tempo.

tecnologia na educação

Jogos digitais e gamificação do ensino

Durante muito tempo, os games foram temas de discordâncias entre pais e filhos, pois, do ponto de vista dos pais, distraem a atenção das crianças e adolescentes em relação às atividades escolares. Contudo, surgem cada vez mais jogos que favorecem o processo de aprendizado e tornam o ensino mais lúdico e divertido.

Games que conversam com as disciplinas do currículo escolar possibilitam a aquisição de novos conhecimentos enquanto os alunos se divertem. Além da aproximação a línguas estrangeiras, à medida que usam os jogos em outras linguagens, o imaginário entra em ação e é um grande aliado no ensino, levando os alunos a diferentes épocas e contextos jamais visitados por eles. Temos como exemplos:

  •       Desenvolvimento de narrativas
  •       Execução da programação através do Scratch

Simples assim, inclusive são recursos que podem ser usados em casa com a família.

Compartilhamento na nuvem

A evolução dos disquetes, CDs até os pendrives ainda não acompanham a revolução no campo educacional proporcionada pelo armazenamento de arquivos de forma virtual – o chamado “salvar na nuvem”.

Por meio deste recurso, é possível trabalhar com uma oferta maior de conteúdo, que pode ser acessado por diferentes dispositivos móveis, e ainda com fácil compartilhamento – sem a necessidade de instalação de aplicativos em diferentes máquinas para uso dos alunos, o que pode promover a integração no desenvolvimento dos projetos e acompanhamento em tempo real pelos professores.

Conclusão

Não é preciso bola de cristal, nem ser expert em tecnologias para saber que o futuro da educação está altamente conectado aos recursos tecnológicos que surgem a todo o instante. O uso da tecnologia na educação é um fato real, e cada vez mais forte para os próximos anos.

Mas, desde agora, é preciso entender a importância dos recursos tecnológicos como benefício para a aprendizagem, como um modelo de educação que não pode esperar  mais pelo futuro, pois o futuro já está acontecendo há tempo.

Agora que você já sabe da importância da tecnologia na educação, compartilhe este artigo nas suas redes sociais e ajude outros pais e mães a ficarem por dentro do assunto!