A trajetória das revoluções industriais, com o contínuo e cada vez mais acelerado avanço tecnológico, tem causado profundas mudanças nas relações e práticas sociais em todo o mundo.

As crianças e adolescentes, em contato cada vez mais cedo com a tecnologia em seu cotidiano, são impactadas não apenas pelo uso dos dispositivos e recursos digitais, mas especialmente na forma de adquirir e absorver conhecimento.

A tecnologia modifica a maneira como nos relacionamos e tratamos o processo de ensino. Assim, a educação – que sempre esteve em constante aperfeiçoamento e renovação, se depara mais uma vez com a necessidade de inovar para receber esta geração de alunos que não se conforma mais com as práticas tradicionais.

O professor com um giz na mão (ou piloto), se posicionando como total detentor do saber com a missão de transferir o conhecimento aos seus alunos em uma aula expositiva, é um cenário ultrapassado e já questionado há mais de meio século por estudiosos da educação.

Neste contexto, as metodologias ativas se apresentam como possibilidades de inovação na educação e encontram nas tecnologias e nos “nativos digitais” o arcabouço perfeito para potencializar o processo de ensino-aprendizagem.

O que é metodologia ativa de aprendizagem?

A metodologia ativa de aprendizagem é uma prática de ensino que modifica a relação entre aluno e professor. Este modelo de ensino transpõe a antiga posição passiva do aluno, que apenas escuta e recebe o conteúdo, para a posição de agente ativo na construção do conhecimento.

O estudante é colocado no centro do processo de aprendizagem. Já o professor, atua como um guia, facilitador, orientador do aluno pelo caminho do saber. Isto, através de práticas pedagógicas que incentivam o aluno à participação e autonomia em um contexto colaborativo de análise, discussão e resolução de problemas.

Benefícios das metodologias ativas:

  • estimula a autonomia
  • motiva os alunos ao aprendizado
  • promove maior engajamento nas aulas
  • envolve os alunos
  • desenvolve o protagonismo
  • gera maior responsabilidade
  • incentiva a formação crítica e reflexiva

Alguns tipos de metodologias ativas:

Sala de Aula Invertida

A Sala de Aula Invertida, ou flipped classroom, é um dos métodos mais conhecidos e aplicados. Nesta proposta, há uma literal inversão do modelo tradicional/expositivo de ensino.

Primeiro, o estudo do conteúdo é realizado em casa e depois, junto à turma, o assunto é debatido e as dúvidas, esclarecidas. A partir dessa experiência, o professor em aula pode destacar e explicar os conceitos envolvidos no conteúdo e, ainda, promover uma atividade para em casa ampliar o conhecimento.

Aprendizagem baseada em problemas

O método também conhecido como ABP (ou até mesmo PBL, sigla oriunda do inglês Problem Based Learning), tem como finalidade promover a obtenção de conhecimento por meio da resolução de problemas.

O professor apresenta à classe problemas (de preferência do cotidiano dos alunos). Nisto,  os estudantes têm que criar uma solução com base em conhecimentos interdisciplinares e podendo utilizar para pesquisa os mais variados recursos multiplataforma. Nesta dinâmica, os alunos conseguem ter um contato com a teoria a partir do objetivo de sua aplicação.

Após os alunos apresentarem ao grande grupo (a classe) as soluções encontradas para as situações, o professor pode discorrer sobre os conceitos teóricos aplicados de maneira mais profunda e significativa.

Aprendizagem baseada em projetos

Nesta prática, a construção de conhecimento acontece através de uma atividade extensa de investigação e elaboração de uma solução prática para uma questão complexa, problema ou desafio.

Diferente da Aprendizagem Baseada em Problemas, os alunos vão além da descoberta da solução. Eles devem investigar o contexto e origem do problema e, após isto, elaborar e executar um plano com a solução.

Na aprendizagem baseada em projetos, há sempre um tema norteador que se desenvolve a partir dos questionamentos e curiosidades dos estudantes, com a condução do professor.

Assim como um projeto acadêmico de pesquisa, são lançadas as perguntas – “o que já sabemos sobre o tema?”, “o que desejamos saber?”, “como descobrir?” – e o projeto se aprofunda diante das pesquisas e busca por respostas.

Junto às descobertas e aprendizagens, acabam surgindo novas estigas e o projeto se desenvolve de modo a romper com as fronteiras disciplinares.

Aprendizagem entre pares ou times

O debate, crítica e reflexão coletiva de um assunto são as bases da Aprendizagem Entre Pares ou Times [em inglês, Peer Instruction (PI) ou Team Based Learning (TBL)].

Nesta abordagem, o professor indica um conteúdo para estudo extra classe e, durante a aula, os alunos respondem a questionamentos sobre o assunto.

A partir do resultado das respostas, o professor apresenta uma explanação da temática e, com um novo questionário, os alunos podem refletir sobre o que compreenderam.

A depender da taxa de acertos, o professor pode explicar novamente o assunto e encaminhar a turma para uma discussão em duplas. Ou, se uma grande parte já absorveu corretamente os conceitos, ele pode fazer uma breve conclusão sobre o conteúdo estudado.

Importância e desafios para a prática das metodologias ativas

O exercício destes métodos pelo educar chancela uma ruptura com o método de ensino tradicional e destaca um aprendizado mais efetivo. Para este rompimento é necessário um esforço e dedicação do professor no estudo e, principalmente, planejamento para a execução das atividades.

Por outro lado, também se faz importante a compreensão dos pais, que habituados ao antigo ensino, desconhecem estas práticas inovadoras e podem apresentar dificuldades no auxílio dos filhos nas atividades extraclasse ou até certas resistências.

É importante ressaltar ainda que as metodologias são desenvolvidas para os alunos e não o contrário. Portanto, além da familiaridade do educador com as diferentes práticas, é importante avaliar o perfil de cada turma e qual abordagem é mais adequada ao grupo de alunos.

E se você quiser saber mais sobre como a tecnologia impacta nas metodologias atuais de educação, temos um texto específico sobre o tema. Clique aqui e leia sobre o que é Educação 3.0.