Quantas mudanças em nossas rotinas neste último mês, não é? Mesmo aqueles que continuam se deslocando para o trabalho nos horários habituais, também estão sentido a diferença na dinâmica da cidade.

Todos temos nos moldado às medidas de prevenção contra a proliferação da Covid-19 (novo coronavírus) e sentimos as modificações. Menos congestionamento no trânsito, limite de pessoas para entrar nas lojas, uso de máscaras para proteção, cuidados extras com a higiene e com os produtos que consumimos.

Nada mais se faz no modo automático. Cada passo é pensado e calculado para que o inimigo invisível não encontre um jeito de chegar aos nossos lares.

Atire a primeira pedra quem não queimou as pestanas no último mês pensando em como/onde comprar um produto, como proceder com a sacola que veio da rua ou, ainda, como guardar o pacote de arroz recém chegado do mercado.

Coisas simples do dia-a-dia, que fazíamos sem dedicar muito pensamento, agora nos demandam neurônios, suor e muita água, sabonete e álcool!

Ousaria dizer que, se para nós, adultos, está difícil digerir tudo isso, para as crianças e adolescentes em idade escolar o impacto da determinação do distanciamento social me parece ainda maior.

Ao mesmo tempo que as crianças e adolescentes precisam dar continuidade aos seus estudos, as escolas também precisaram se adequar à realidade ofertando as aulas agora virtuais em substituição às presenciais.

Com isto, as tradicionais atividades destinadas para casa receberam um novo sentido nestas últimas semanas. O estudo em casa, que era complemento das lições em sala de aula, agora é o único contato com o aprendizado escolar.

Pais e mães que não tinham o hábito de acompanhar as atividades escolares dos seus filhos tão de perto, agora são desafiados a esta tarefa. Desde o auxílio na preparação do ambiente para o estudo, até mesmo a sentar-se junto e acompanhar as aulas por videoconferência.

De fato é um novo aprendizado para todo mundo.

Por isso, neste texto vamos pontuar alguns itens importantes que podem ajudar a colocar no prumo a rotina de estudo doméstica e fazer da sua casa um ambiente acolhedor para a aprendizagem.

Importante lembrar que estas orientações não servem apenas para este momento de reclusão, mas podem ser colocadas em prática durante todo o período escolar das crianças e adolescentes.

Separe um local para estudos

O primeiro ponto é também determinante para o sucesso das aulas em casa: ter um local separado para o estudo. O ideal é que seja um ambiente longe de distrações, como televisão, celular ou locais de passagem da casa.

É bom que seja confortável, mas nem tanto. Então, nada de sofá, rede, cama ou sentar no chão… Uma mesa, cadeira, tranquilidade e todos os objetos que serão necessários à mão é tudo que o estudante precisa.

Qualquer semelhança com as orientações que vemos para o home office funcionar, não é mera coincidência!

Tenha uma programação

Estabeleça momento e quantidade de horas para os estudos. Inclusive, se necessário, um intervalo para um lanche e tempo para brincadeiras – que também podem fazer parte do aprendizado.

É importante que esta rotina seja incorporada ao dia a dia, de modo que se torne habitual para a criança e adolescente. Isto ajuda ao cérebro e todo o corpo a se preparar para aquele momento, como a ida à escola.

Criar rotina é estruturante e, em momentos assim, envoltos por tantas incertezas, um pouco de estrutura é vital. Então inclua na rotina da garotada o horário de acordar, o café da manhã, trocar o pijama e assim por diante!

Na hora de criar a programação, busque envolver a criança e/ou adolescente nessa organização, afinal, é importante que eles se sintam parte dessa nova rotina.

E a programação irá se adequando com o tempo, com o envolvimento das crianças e jovens os pontos aos poucos se vai entendendo como não colocar poucas atividades na programação e nem uma programação muito cheia que seja estafante.

Enfim, nada como um dia após o outro!

Pais devem auxiliar e não fazer pelos filhos

Auxilie o seu filho, mas não faça a atividade por ele. Ter os pais por perto, como fontes para tirar dúvidas e esclarecimentos é essencial. Então, ajude seu filho levando-o a refletir sobre as questões e não dê as respostas prontas.

Acompanhar o planejamento dos estudos da escola, as reuniões escolares, as atividades que foram realizadas anteriormente, o contexto da lição… Tudo isso contribui para entender por qual caminho de aprendizagem seu filho está sendo conduzido e onde deve chegar.

Essa compreensão também ajuda no momento de fazer as perguntas e dar orientações.

Dependendo da idade, avalie junto com a equipe da escola se é necessário estar todo o tempo ao lado dele, durante a aula e as lições. Ou, se o melhor é dar algumas passadas para supervisão, deixando-o  à vontade para as atividades.

Equilibre o tempo online e offline

Com as aulas virtuais, as crianças acabam ficando por mais tempo expostas às telas. Para que isso não se torne prejudicial, mapeie as horas de uso de eletrônicos e equilibre com momentos de descanso tanto para os olhos quanto para a mente.

Tente a cada duas horas de aula online ficar meia hora distante da tela. Ler um livro, desenhar, conversar com alguém ou se exercitar são algumas opções para dar uma pausa do meio digital e da luz das telas.

Lembrando que as atividades lúdicas, como jogos e brincadeiras, são muito importantes para o estudo, uma vez que proporcionam o relaxamento necessário para amenizar o cansaço causado pelo trabalho.

Então, faça pausas curtas, sem procrastinar, nos momentos de estudo e inclua atividades divertidas no dia.

Estimule sempre

“Quarentena não é férias!”

Essa frase ecoa como um mantra e já foi dita muitas vezes no último mês. inclusive aqui no blog. Mas é difícil, muitas vezes, para as crianças desvincularem o fato de estarem em casa com um momento de relaxamento e tempo livre.

Por isso, elogie o esforço e a dedicação com os estudos como forma de encorajamento. Não apenas neste contexto, mas torne um hábito o reconhecimento de suas conquistas.

Desta forma, é importante reforçar que lição de casa não é castigo. Não ameace seu filho utilizando como ‘objeto’ as atividades escolares.

O estudo em casa atualmente precisa ir além da assimilação dos conteúdos vistos em sala de aula ou de um caminho para envolver o pessoal de casa nos temas escolares. O estudo em casa é, agora, essencial para a continuidade da aprendizagem.

É possível que algumas destas orientações e sugestões já aconteçam em sua casa. Caso contrário, esperamos que sirva de norte, auxílio ou, até mesmo, empurrãozinho neste difícil momento que estamos atravessando.

Se a leitura deste texto auxiliou com ideias e esclarecimentos, curta a postagem e compartilhe para que mais famílias possam estar preparadas para os estudos em casas.

Este texto foi recomendado na campanha sobre o Dia da Educação 2021 da editora educativa Twinkl.