Crianças na cozinha pode ser sinônimo de bagunça? Pode até ser. Mas os benefícios que esta experiência pode proporcionar aos filhos é um ganho muito superior à farinha espalhada no chão (e na bancada, e na roupa, e na testa do menino, e no pelo do cachorro…).

Além do aprendizado e momento de diversão, estar com as crianças no ambiente do preparo dos alimentos pode proporcionar a construção de uma relação saudável entre elas e as comidas.

A começar pela percepção do passo a passo da receita até a descoberta dos sabores, de uma forma natural e divertida.

Este estímulo ao bom relacionamento com a comida se faz ainda mais necessário em um mundo em que as crianças a todo o momento são impactadas pela publicidade de alimentos industrializados e não tão saudáveis. Afinal, é bem difícil ver na TV, no YouTube, ou em outras mídias propagandas de alface, brócolis, tomate ou maçã.

Isso sem considerar a possibilidade dos comentários, não tão amigáveis, quando os pais conseguem implementar hábitos saudáveis. “Nossa, ele toma esse suco sem açúcar? Que maldade!”. E não vamos falar aqui dos docinhos das vovós, tá bom?

Em um tempo com crescentes índices de obesidade infantil, chega a ser um ponto de necessidade ensinar às crianças desde cedo a valorizar os alimentos saudáveis.

Somado aos benefícios à saúde, estar com uma criança na cozinha pode ser um momento de diversão, desenvolvimento da autonomia, exercício de paciência (de ambos) e até de experimentos científicos. Você já pensou nisto?

Que tal conhecer um pouco mais sobre os inúmeros benefícios de levar as crianças para a cozinha? Ah, e temos opções de receitas bem legais e simples para você praticar com os pequenos.

Motivos para envolver as crianças no processo culinário

Para aqueles que até agora ainda não se convenceram, listo a seguir 5 motivos para trazer as crianças para a cozinha já!

1. Alimentação infantil saudável

Sem dúvida, um dos principais benefícios da criança na cozinha é o desenvolvimento de hábitos alimentares saudáveis. Afinal, por que comprar tudo pronto se podemos fazer em casa?

Ao saber cozinhar – criança, jovem ou adulto -, tem-se mais autonomia para eleger quais alimentos e ingredientes irá consumir, podendo assim fazer escolhas mais conscientes e saudáveis.

Além disso, o contato direto com a preparação colabora para a familiarização e aceitação dos alimentos pelas crianças.

Quando colocamos a mão na massa, prestamos mais atenção no que comemos. Aqueles pedaços verdes e vermelhos no prato não serão intrusos a serem combatidos, mas sim, velhos conhecidos e bem-vindos.

2. Momento de aprendizado e diversão

A atividade na cozinha executada por mais de uma pessoa precisa, com toda certeza, de muita parceria. O ato é uma experiência de troca entre pais e filhos, adultos e crianças, e o resultado de diversão é certo.

Em meio ao prazer, também pode ser introduzido muito aprendizado. Afinal, diversas áreas de conhecimento são exploradas enquanto preparamos uma refeição.

Pense bem… as crianças aprenderão a contar, medir, fracionar e pesar os ingredientes seja com auxílio da balança ou por meio das medidas caseiras, como colheres e xícaras;

Isso sem mencionar que a apresentação dos itens da receita ainda proporcionará um aumento do vocabulário.

Além disso, cozinhar aguça os cinco sentidos por meio da experiência da variedade de gostos, aromas e texturas que a comida pode proporcionar.

Fora a descoberta dos sabores, como o doce, o salgado, o azedo…. até o amargo.

3. Viagem pelos sabores

Executar receitas pode ser um convite a uma viagem pelos diferentes sabores regionais. Afinal, sabores também são lugares. A partir de um prato tradicional, preparado com ingredientes típicos, cozinheiros e degustadores podem conhecer mais sobre a cultura de um lugar, clima, e até religião.

Até mesmo dentro de um mesmo país, como o Brasil, podemos diferenciar alguns estados pelos seus alimentos. Afinal, quem não lembra de Minas Gerais quando se fala em pão de queijo? Ou do Rio Grande do Sul ao falar de chimarrão? E o acarajé? É da Bahia, claro!

Os alimentos também têm diferentes significados de acordo com a religião: algumas culturas os entendem como instrumento de cura do corpo e do espírito. Ou até identificam a comida como ato político, como o veganismo.

4. Um super laboratório científico

A ciência está em diversos lugares, não apenas nos laboratórios cheios de equipamentos e pessoas vestidas de jaleco.

Se tem um ambiente na casa com potencial para a produção de fenômenos e processos da química, física ou biologia, ah esse é a cozinha.

E o melhor de tudo é que na cozinha os experimentos científicos se apresentam às crianças de maneira totalmente lúdica e contextualizada, facilitando o entendimento de conceitos às vezes difíceis de compreender.

Na cozinha encontramos uma diversidade de reagentes como temperos, óleos, ácidos (como o vinagre ou o limão), emulsificantes (como a gema do ovo), reagentes biológicos (como o fermento).

Quando misturados estes itens, ou submetidos a diferentes temperaturas, sua aparência, textura e gosto são modificados.

A exemplo do bolo que, devido ao fermento, sofre uma transformação química liberando gás carbônico que auxiliará em seu crescimento e forma.

Esta e outras transformações são definidas por reações químicas e conceitos físicos, químicos ou biológicos, com os quais podemos familiarizar as crianças.

5. Estímulo à autonomia e à responsabilidade

Com o aprendizado ao preparar as próprias refeições, as crianças têm acesso a um maior repertório de conhecimento alimentar para fazer suas próprias escolhas de comida.

Além disso, elas se sentem seguras para fazer as coisas por si mesmas, com suas próprias receitas, e ganham confiança ao perceber que os pais confiam nelas.

E tem mais! Ao participarem dos preparos, as crianças percebem o quão trabalhoso pode ser preparar uma refeição para a família, e vão valorizar ainda mais esta tarefa realizada, na maioria das vezes, pelos adultos.

Qual a idade adequada para cozinhar?

Comer é uma necessidade básica que nos acompanha desde sempre, e estar na cozinha é um hábito que pode começar cedo.

Desde bebê o ambiente pode ser comum à criança. Claro, que você não vai dar uma faca para o filho de seis meses!

Contudo, ele pode estar no local sentado na sua cadeirinha observando a atividade e, vez ou outra, segurando uma verdura ou fruta. Não se surpreenda se ele começar a comer o chuchu cru. Deixe rolar.

Vale reforçar que o ambiente da cozinha é o que apresenta mais riscos de acidentes domésticos e, por isso, a atividade com as crianças deve ser planejada com cuidado redobrado.

Um conselho é separar antecipadamente os utensílios e ingredientes que serão necessários para a execução da receita junto à criança, para que o ambiente fique mais livre e mais seguro.

Lembrando que ao ensinar a criança a utilizar bem a cozinha e seus utensílios, sabendo o que e ela pode usar e como deve usar, os riscos de acidente reduzem imensamente.

Receitas divertidas e fáceis de fazer

Se você chegou até aqui é porque está interessado, ou convencido, de que é realmente uma boa ideia esta experiência com crianças na cozinha, não é mesmo?

Então, vamos colocar a mão na massa? Seguem algumas sugestões de receitas práticas para fazer junto aos pequenos:

Iogurte de morango (veganinho)


Ingredientes
:

500g de morango

1 colher (sopa) de suco de limão

250g de tofu firme drenado (sem a água que vem no pacote)

1/2 colher (chá) de goma xantana (opcional)

1/4 xícara (chá) de leite de coco

2 colheres (sopa) de açúcar demerara (opcional)

Instruções

  • Para o sabor de morango ficar bem presente, é necessário fazer uma geleia: coloque os morangos higienizados, sem cabinho e cortados em uma panela (ou adquira-os congelados). Se quiser adicionar açúcar, pode colocar nesta etapa para derreter bem os cristais.
  • Cozinhe em fogo baixo, amassando com um garfo. Adicione o limão e deixe cozinhar até as frutas ficarem macias. Quanto mais reduzir, mais gostoso e melhor vai ficar a textura! Reserve a geleia na geladeira.
  • Quando estiver fria, bata a geleia com todos os outros ingredientes no liquidificador até formar um creme espesso e homogêneo.

Biscoito de banana e aveia

Ingredientes:

1 xícara (de chá) de banana nanica amassada (cerca de 2 bananas grandes)

1 xícara (de chá) de aveia em flocos finos

1 colher (de sopa) de óleo vegetal (girassol, soja, canola, coco…)

1 colher (de chá) de fermento químico em pó

Canela em pó a gosto (opcional)

1/4 de xícara (de chá) de uvas passas (opcional)

1/4 de xícara (de chá) de castanha do Pará picadas (opcional)

 

Modo de preparo:

Misture todos os ingredientes e distribua em forminhas untadas ou em uma única assadeira (untada) e leve para assar no forno (200oC) por cerca de 20 minutos, até ficar bem sequinho (espete um palito de dentes para verificar).

***

Com a leveza e diversão que as crianças tratam tudo na vida, elas podem transformar este momento de preparo alimentar em um grande aprendizado também para os adultos.

Não tenha receio de estar com crianças na cozinha. Tenha certeza que será uma grande experiência de responsabilidade para elas.

Já falamos aqui no blog sobre outras experiências que reforçam a autonomia infantil e inclusive como essa autonomia é uma excelente parceira e deve ser estimulada desde cedo, em diversos contextos, inclusive no ensino remoto.

Sugiro que você também leia sobre o assunto e possa acrescentar conhecimento à sua jornada de educador na família.